quarta-feira, 2 de julho de 2014

Feliz Por Nada

Estou viciada nas crônicas de Martha Medeiros, depois de "Loucas e Santas" e "A Graça da Coisa", minha mais nova aquisição embora a obra não seja tão nova assim,  é "Feliz Por Nada". Por ocasião da visitinha ao médico ontem fui até a livraria Café Mixirica e escolhi o livro para tornar minha viagem mais agradável. Ainda bem que não sou daquelas que tem mal estar ao ler em ônibus... e nas duas horas de viagem Carangola/Muriaé, fui me deliciando com suas dissertações e poesias sobre as trivialidades da vida. E vem cá, tem coisa mais gostosa que o trivial??? ah se todos soubessem o quanto é bom poder desfrutar do trivial...


Feliz Por Nada
" Particularmente gosto de quem tem compromisso com a alegria. que procura relativizar as chatices diárias e se concentrar no que importa pra valer, e assim alivia o seu cotidiano e não atormenta o do outros. Mas não estando alegre, é possível ser feliz também. Não estando "realizado", também. Estando triste, felicíssimo igual. Porque felicidade é calma. Consciência. É ter talento para para aturar o inevitável, é tirar proveito do imprevisto: é ficar debochadamente assombrado consigo mesmo: como é que eu me meti nessa, como é que isso foi acontecer comigo? Pois é, são os efeitos colaterais de se estar vivo.
Benditos os que conseguem se deixar em paz. Os que não se cobram por não terem cumprido suas resoluções, ou por terem falhado. Não se torturam por terem sido contraditórios, não se punem por não terem sido perfeitos. Apenas fazem o melhor que podem. Você é o que é, um imperfeito bem-intencionado e que muda de opinião sem a menor culpa.
Ser feliz por nada talvez seja isso."

Por que a felicidade não precisa de motivo. Não mesmo.