quinta-feira, 3 de abril de 2014

Blues da Piedade

A volta à rotina pós o tratamento de câncer traz à tona questões tão complicadas como o próprio câncer. Infelizmente, ainda hoje com tanta informação percebo que  o assunto é um tabu envolto a muitas inverdades, exageros e preconceitos. As pessoas costumam inconscientemente  tratar aqueles que passaram por uma doença grave com um quê de piedade. Somos constantemente chamados  de "guerreiros", ouvimos a todo instante: como você é  forte! Isso incomoda um pouco, é como se nesse momento tivéssemos outra alternativa... Ser forte é o que tem para hoje! Na maioria das vezes sabemos que o sentimento é puro, mas traz sofrimento, pois é como se estivéssemos irremediavelmente presos a uma condição de alguém que precisa de tratamento diferenciado. O que não é verdade.
A morte é um conceito cercado de mistérios. E, quando se está diante de alguém que teve câncer, estamos de frente a uma pessoa que já experimentou a morte. E não estou falando da morte física: “Morre com o tumor uma série de manias, conceitos, convicções. Todos saem transformados, de um jeito ou de outro.” Existem pessoas, que parecem fazer um pacto com a vida — olham para os lucros da experiência, ficam mais animadas do que antes, passam a valorizar mais o cotidiano e seus sonhos. Outras, porém, amargam as perdas e danos da doença. “Estas, de certo modo, acabam derrotadas pelo câncer, mesmo que se curem.”
Quero registrar aqui o desejo à não piedade, o desejo de  sermos tratados como  pessoas comuns , que somos.  Candidatos a  tudo aquilo que faz parte da vida de toda e qualquer pessoa: dor, desejo, vigor... Pessoas tão normais que tendo escapado da doença, ou lutando contra ela podem inclusive perder suas vidas em situações corriqueiras como o trânsito, por exemplo -eu que o dia, noutro dia passei por um susto desses - e isso me levou a concluir mais uma vez que estou VIVA e sujeita  a tudo que a existência oferece a qualquer pessoa... 




Então peçamos piedade, pra quem realmente precisa de muita piedade. Pessoas que reclamam de barriga cheia, desonestas, quem não se importam com o ser humano, que só olham ao redor do seu umbigo...

"Vamos Pedir Piedade
Pois há um incêndio sob a chuva rala...
Somos iguais em graça,
Vamos cantar o Blues da Piedade
... Pra quem não sabe amar...
Vamos Pedir Piedade,
Senhor piedade
Pra essa gente careta e covarde
Vamos Pedir Piedade,
Senhor piedade...
Lhes dê grandeza e um puco de coragem."
                                                                           Cazuza